Os mitos do inverno

   Será que é verdade que no inverno sentimos mais fome, temos vontade de dormir por mais tempo, e por consequência, engordamos? A nutricionista do Hospital Amaral Carvalho, Thais Arantes Ramos de Oliveira esclarece algumas questões referentes à alimentação e hábitos na época mais fria do ano.

Extra
   Segundo a profissional, no inverno nosso organismo gasta mais energia para produzir calor e manter a temperatura corporal em torno de 36°C, que é o ideal. Essa queima resulta na sensação de fome. No entanto, a quantidade extra de alimentos a ingerir depende da temperatura do ambiente, além da constituição física de cada um. “Quando os termômetros apontam cerca de 10°C, a queima calórica de um indivíduo aumenta em aproximadamente 30% e nesse caso, é possível ingerir 20% a mais de calorias”, exemplifica.
   Thais explica que engordar ou não vai depender das escolhas de cada um, mas é possível prevenir. “Uma dica é fracionar as refeições, comer a cada três horas. Também é bom escolher alimentos com alto teor de fibras para compor essas refeições, como frutas, verduras, legumes, massas e pães integrais. O resultado é a saciedade do organismo, o que reduz a sensação de fome”.

Mais água
  Algumas pessoas, além de extrapolar nos alimentos, bebem pouca água, especialmente no inverno, pois sentem menos sede. Thais conta que é importantíssima a hidratação. “Beber bastante água ajuda a regular a temperatura corporal, faz bem pra pele, auxilia no bom funcionamento do intestino e previne doenças respiratórias típicas da estação”, pontua.
    A nutricionista orienta: deve-se consumir no mínimo 1,5 litros de água por dia. “Se tiver dificuldade em beber água, a pessoa pode optar pelos chás claros, sucos de frutas e sopas.”

Mexa-se
   Está certo que sentimos mais preguiça no inverno, mas usar a desculpa de que fazer exercícios ao ar livre nesta estação prejudica o corpo, não vale. Muito pelo contrário, não há problema algum em praticar atividades físicas no frio ou ao ar livre, desde que haja um bom alongamento e aquecimento, além do uso de roupas adequadas (agasalhos) que possam ser retiradas durante a atividade, caso necessário. “Quem preferir pode frequentar uma academia, e assim, não sofrer tanto com a temperatura baixa dos lugares abertos”, salienta a profissional.
   Enquanto alguns preferem evitar a malhação nesta época do ano, outros pensam que é mais fácil queimar calorias. Thais esclarece: é verdade que o corpo gasta mais calorias para se manter aquecido, mas não é uma quantidade tão significativa que possa ser determinante no resultado da queima de calorias ao fim dos exercícios. “O que determina o sucesso da queima é a prática de exercícios constantes e de maneira adequada”.

Mas, por que tanto sono e preguiça?
   A nutricionista afirma que nos meses do inverno nosso metabolismo fica menos acelerado e o período de sol diminui. “Os dias são mais curtos e as noites mais longas. Há maior produção de um hormônio chamado melatonina, que é estimulado pela escuridão, e é o excesso desse hormônio que nos faz sentir tanto sono”, ressalta.

E sorvete no inverno, pode?
   Ao contrário do que se diz, tomar sorvete no frio não faz mal. A verdade é que algumas pessoas são mais sensíveis, por isso podem sentir dor de garganta depois de ingerir alimentos gelados. Segundo a nutricionista, é bom evitar o consumo de produtos muito gelados quando se está com febre ou tem problemas respiratórios, porque as defesas do organismo ficam menores e o corpo está quente. “O que nos faz ficar doentes (gripe ou resfriado) é o contato com determinados microorganismos (vírus) e não o alimento gelado”, completa.

Dica
Inverno ou não, é importante manter uma alimentação equilibrada, rica em nutrientes e minerais essenciais. Como? “Por meio do consumo de frutas e verduras da estação, arroz e feijão diariamente, e com moderação no consumo de sal, açúcar e gorduras. Além disso, mantenha uma boa hidratação e faça exercícios físicos regularmente. Assim, você terá uma melhor qualidade de vida”, orienta Thais.


Os dias são mais curtos e as noites mais longas

Autor: Ariane Urbanetto / Foto: Ana Carolina Candelaria