Faça sua Doação Faça sua doação para o Amaral Carvalho, o Hospital do Câncer que trabalha com ética e transparência na luta pela vida.

Além do espelho

   Durante o tratamento de câncer ginecológico, muitas mulheres podem passar por um processo de comprometimento da própria sexualidade. Isso acontece por conta do ponto de vista anatômico e emocional das pacientes. Ao realizar determinados procedimentos, a mulher sofre mudanças físicas como a perda dos cabelos, o encurtamento da vagina ou até a infertilidade. A imagem que ela tem de si mesma pode ser afetada negativamente, fazendo com que tenha sua autoestima prejudicada.
    A oncoginecologista do Hospital Amaral Carvalho (HAC), Lenira Maria Queiroz Mauad explica que é fundamental orientar as mulheres antes do tratamento de câncer ginecológico ou pacientes de transplante de medula óssea. “Nós preparamos essas pessoas para as mudanças que irão ocorrer, esclarecemos sobre os efeitos possíveis e, por vezes, fazemos tratamento de reposição hormonal”, afirma.

Auxílio emocional
   Diante das mudanças físicas, o psicólogo tem o papel de auxiliar a paciente a desenvolver recursos para o enfrentamento da doença. A psicóloga do HAC, Natalia Montanari afirma que o adoecimento pode ser uma oportunidade de a paciente refletir sobre questões pessoais e mudar conceitos e valores e tornar-se mais flexível frente às dificuldades futuras. “Nós estimulamos as pacientes a olharem além do que mostra o espelho”, complementa.
   Natalia também alerta que as mulheres que dispõem da colaboração e apoio do parceiro aceitam melhor o adoecimento. “É importante que esses homens busquem não só fazer com que a paciente sinta-se valorizada, demonstrando por elas amor e carinho, mas que também saibam ampará-la, compreender que muitas vezes o choro é necessário e que nesse momento, um abraço pode ser suficiente para aliviar o sofrimento”, conclui.

 

Autor: Bruno Furlanetti