2/8/2019 - Solidariedade em família: pai e filho voluntários ajudam pacientes do Hospital Amaral Carvalho

   Toda sexta-feira, o dia começa mais cedo para o advogado Márcio Barros de Oliveira e para o estudante de Direito, Leonardo Wanderlei de Oliveira. E não pensem que é por causa de alguma demanda judicial. A causa, segundo eles, é ainda mais nobre: eles trabalham juntos como voluntários no Hospital Amaral Carvalho de Jaú.
   Márcio e Leonardo moram em Barra Bonita. Todas as sextas-feiras, eles viajam cerca de 50 quilômetros para realizar o trabalho voluntário. Juntos, pai e filho servem chá, biscoito e bolacha gratuitamente aos pacientes e acompanhantes que estão em tratamento no hospital. “É um trabalho maravilhoso poder servir aos outros que estão aqui nesse hospital que atende tanta gente, muitos passando por um momento bastante delicado”, comenta o advogado Márcio de Oliveira.
   E a felicidade de Márcio é maior, ao ver o filho, Leonardo, acompanhá-lo no trabalho voluntário. “Eu comecei a vir com o meu pai e me encantei com o trabalho que ele fazia. Aí, decidimos fazer juntos. É muito legal pra mim poder seguir esse exemplo dele”, disse Leonardo.
   Trabalhos voluntários como os desempenhados por Márcio e seu filho Leonardo vão ser destacados na próxima semana em Brasília. A Federação Brasileira da Entidades de Combate ao Câncer – Febec, com apoio do centenário hospital filantrópico Amaral Carvalho de Jaú, promove a 3ª Jornada dos Voluntários da Saúde, entre os dias 5 e 7.
   Cerca de 40 voluntários de várias ligas e associações de combate ao câncer do interior de São Paulo, que prestam serviço voluntário para o Hospital Amaral Carvalho, vão estar presentes. A principal atividade será a visita dos voluntários aos gabinetes no Congresso para  conscientizar os parlamentares a apoiar o trabalho do Hospital Amaral Carvalho na luta contra o câncer. No encerramento da jornada, autoridades, inclusive do Ministério da Saúde, e representantes das de combate ao câncer do estado de São Paulo serão homenageados.
   O Movimento de Luta contra o Câncer abrange 4.200 voluntários no estado de São Paulo, de 108 Ligas de Combate à doença, que, juntas, atendem cerca de 25.000 pacientes em todo o estado. São Paulo tem a maior rede pública de hospital de tratamento de câncer em todo o país.

Sobre o Hospital Amaral Carvalho
O Hospital Amaral Carvalho (HAC) é uma centenária instituição que promove a saúde e bem-estar aos brasileiros. Referência em oncologia e transplantes de medula óssea, prioriza a assistência social e conta com uma rede de mais de quatro mil voluntários que integram as Ligas de Combate ao Câncer. Localizado em Jaú, interior paulista, o HAC recebe anualmente, em média, 70 mil pacientes de todos os estados do país, a maioria de São Paulo, e realiza mais de um milhão de procedimentos, como quimioterapia e radioterapia. Além de prestar assistência à saúde de qualidade com foco na segurança dos pacientes, se destaca pela abordagem humanizada. Uma das iniciativas que beneficiam seus usuários é o vínculo com grupos voluntários que oferecem suporte aos mais carentes para garantir a continuidade e melhores resultados no tratamento.

Sobre as Ligas de Combate ao Câncer
O movimento voluntário do Hospital Amaral Carvalho teve início na década de 90, a partir da criação da Entidade Anna Marcelina de Carvalho, em Jaú/SP, com um grupo de senhoras, entre elas, esposas de médicos e diretores, que atendiam as necessidades dos usuários do hospital que residiam na cidade. O êxito das atividades incentivou a organização de uma rede de apoio nos municípios que mais encaminhavam pacientes para tratamento oncológico, como Garça, Santa Cruz do Rio Pardo e Ibitinga. Escolhido para ser articulador desses grupos, José Eduardo Nadalet saiu em busca de interessados em ajudar, e então, passou a cadastrar voluntários, orientar e acompanhar as ações. Esse modelo se expandiu a vários municípios e, hoje, conta com mais de 4 mil pessoas que oferecem suporte a aproximadamente 25 mil pacientes através das 108 Ligas de Combate ao Câncer vinculadas ao HAC. Fundamentais às políticas de saúde pública e ao bem-estar de milhares de brasileiros, o voluntariado supre carências de atenção extra-hospitalar dos doentes, como questões de logística, condições financeiras e até mesmo incentivo durante as etapas do tratamento. 

 


 Leonardo e seu pai, Márcio, moram em Barra Bonita. Todas as sextas-feiras, eles viajam cerca de 50 quilômetros para realizar o trabalho voluntário. Juntos, servem chá, biscoito e bolacha gratuitamente aos pacientes e acompanhantes que estão em tratamento no hospital
 

Autor: Fernando Schwarz