Faça sua Doação Faça sua doação para o Amaral Carvalho, o Hospital do Câncer que trabalha com ética e transparência na luta pela vida.

21/10/2016 - Apesar do câncer, baiana vê cor e beleza na vida

   Pelo menos uma vez por mês, o tecelão Benedito de Oliveira, voluntário do Hospital Amaral Carvalho (HAC), vem de Boituva a Jaú trazendo uma mala cheia de perucas para doar a pacientes que perderam os cabelos em decorrência da quimioterapia. Ele mesmo é quem confecciona os acessórios com fios naturais, doados à entidade Anna Marcelina de Carvalho, vinculada ao hospital do câncer, por meio de campanhas.
   As perucas de Seu Benedito fazem a alegria das pacientes. “Gosto de olhar no espelho e me ver de cabelos pretos”, disse a comerciária baiana Patrícia Reis, 45 anos, enquanto experimentava vários modelos que haviam acabado de chegar.
   Patrícia provou pelo menos 10 perucas, e a cada prova, um sorriso largo, quando não uma gargalhada… de euforia e esperança.
   “Eu não tive preconceito de assumir a calvície, embora as pessoas na rua ficam olhando como se a gente fosse se outro planeta, mas confesso que sempre gostei dos meus cabelos. Eu amo estar arrumada, de batom, brincos, roupas e sapatos novos. E não seria o câncer que me tiraria esse prazer”, afirma a baiana, mãe de Amanda, 22 anos.
   Seu Benedito sabe da importância de elevar a autoestima das pacientes durante o tratamento. “Para muitas mulheres, o cabelo é tudo. Quando elas colocam uma peruca, se sentem mais bonitas e seguras, e isso as ajuda a enfrentar a doença”, avalia.
   Patrícia concorda. “Quando visto uma peruca, me sinto com o astral lá em cima. Essa sensação me ajuda a mudar o foco, a esquecer um pouco o sofrimento que o câncer provoca”.
   A baiana foi diagnosticada com leucemia há um ano e encaminhada para tratamento no Amaral Carvalho. Há três meses foi submetida a um transplante de medula óssea, o último recurso para a cura da doença. “Eu não tenho medo do câncer. Estou sofrendo as sequelas do tratamento, mas sei que posso suportar. Como? Vivendo um dia após o outro com esperança, com sorrisos e procurando ver beleza em todas as coisas. É aí que a vaidade me ajuda. Hoje estou de peruca preta. Me sinto bonita assim. Amanhã, não sei, talvez escolha uma ruiva. O importante é estar sempre bonita para a vida”, completa Patrícia.


A paciente Patrícia prova perucas confeccionadas pelo tecelão Benedito: "prefiro cabelos pretos"

Autor: Juliana Parra