22/1/2016 - Liga de Garça oferece atendimento odonto-oncológico

    Em algumas semanas, os pacientes do Hospital Amaral Carvalho que residem em Garça, SP e são assistidos pela Associação dos Voluntárias no Combate ao Câncer da cidade, terão atendimento odontológico gratuito. O grupo, entre as inúmeras ações de assistência social e apoio que oferece aos doentes carentes, irá implantar o serviço odonto-oncológico com atuação voluntária da dentista Patrícia Kerges.
   A presidente da Liga e diretora da Febec (Federação Brasileira das Entidades de Combate ao Câncer), Julia Hori, conta que uma sala está sendo equipada para receber a profissional e os pacientes. “Conseguimos doação de todos os equipamentos necessários, como a cadeira, ar condicionado, e estamos providenciando tudo o que é exigido pela Vigilância Sanitária, como autoclave, pias adequadas e o correto descarte dos resíduos”.
   Patrícia, a mais nova voluntária da Associação, faz mestrado em Estomatologia, na Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB – USP), e atua em clínicas da própria faculdade e do Hospital Estadual de Bauru. Natural de Garça, retorna à cidade aos finais de semana, por isso, os atendimentos no grupo serão realizados aos sábados ou de acordo com sua disponibilidade, por meio de agendamento.
   Ela explica que antes de começar sessões de quimioterapia ou radioterapia no Amaral Carvalho, os pacientes irão passar por avaliação e tratamento bucal na Associação. “Possíveis focos de infecção e outras alterações serão tratados e/ou removidos para que, ao iniciar os procedimentos no hospital, não haja necessidade de intervenção odontológica”.
   A boca, de acordo com a profissional, é colonizada naturalmente por diversos micro-organismos (bactérias e fungos), porém de forma harmônica. “No entanto, um desequilíbrio nessa relação pode gerar prejuízos. O tratamento de câncer faz com que o paciente tenha imunossupressão (baixíssima imunidade), dessa forma, os micro-organismos da boca podem encontrar condições ideais para se manifestar, e então, uma infecção que poderia ser combatida de forma simples pelo sistema imune ou terapia medicamentosa, pode gerar complicações, inclusive sistêmicas”, ressalta.
   O acompanhamento pelo cirurgião dentista durante o tratamento oncológico também se faz necessário para manutenção da boa condição bucal. “Além disso, é essencial estar atento aos efeitos que possam acometer o paciente, como a xerostomia, que é a redução do fluxo salivar, e a mucosite, uma inflamação que pode ocorrer em diversas regiões da mucosa bucal chegando a impossibilitá-lo de se alimentar, pelo desconforto e dor. A terapia com laser de baixa potência auxilia na diminuição do tempo de cicatrização dessas áreas, e esse tratamento também será realizado na Associação”, esclarece.
   A expectativa é a melhor possível. “Nosso intuito é oferecer atendimento de qualidade e acessível – na cidade onde moram. Vamos nos esforçar para que o maior número de pacientes possa ser beneficiado”, completou Patrícia.

Saiba mais
A Associação de Voluntários no Combate ao Câncer de Garça foi criada em 1999. Tem 40 integrantes e mais de 300 pacientes carentes cadastrados, aos quais oferece apoio psicológico e material. O grupo também disponibiliza atividades recreativas, como artesanato, aula de ioga e coral. Se mantém com a renda obtida em eventos e doações da comunidade regional.
Atualmente, a Associação precisa de voluntários jovens e dispostos a contribuir com a luta contra o câncer. Interessados devem entrar em contato pelo telefone (14) 3471-5052.

Serviço
Associação de Voluntários no Combate ao Câncer de Garça
Rua Dep. Manoel Joaquim Fernandes, 1185 - Garça - SP
E-mail: avccg@bol.com.br

Autor: Ariane Urbanetto