15/03/2012 - FAC qualifica pessoas com deficiência para o mercado de trabalho

   Promover cursos e estágios para pessoas com deficiência, residentes em Jahu e região, com o objetivo de capacitá-las para o mercado de trabalho nas áreas administrativas e de alimentação. Essa é a proposta do projeto "Capacitação de pessoas com deficiência para o mercado de trabalho", promovido pela Fundação Amaral Carvalho (FAC) com apoio da Secretaria das Pessoas com Deficiência e Idosos de Jahu.
   Lançado no dia 2 de setembro do ano passado, o projeto foi desenvolvido pela coordenadora de Recursos Humanos da instituição, Silvia Maria Ferreira Pelegrina em parceria com a coordenadora de Planejamento, Katia Milena Gonçalves Meira Gonçalves e o diretor Reitor da Universidade Corporativa da FAC, Paulo Machado.
   A ideia, que surgiu da necessidade de oportunizar a inclusão de pessoas com deficiência na sociedade e, especialmente, no mercado de trabalho, é também uma mostra da preocupação com a responsabilidade social e da vocação educacional da FAC.
  Silvia - idealizadora da ação, explica que os requisitos básicos para os participantes dos cursos são idade acima de 18 anos e alfabetização, preferencialmente ensino fundamental completo. "O foco é tornar estas pessoas aptas a executarem algumas atividades realizadas na maioria das empresas."

Capacitação
   Profissionais da própria instituição que possuem experiência como docentes e/ou para treinamentos são os capacitadores das pessoas com deficiências. Roberto Aparecido da Silva ministra aulas de informática; Elisangela Piqueira, ensina noções administrativas e secretariado, e Paula Fernanda Mancini Hatanaka sobre organização e higiene nos serviços de alimentação. As aulas ocorrem nas dependências da FAC, sempre às quintas-feiras, das 14h às 15h30.
   Silvia esclarece que este projeto, somado a iniciativas de outras instituições, entidades, poder público e a população em geral, cria oportunidade para discussões e ações efetivas na questão da inclusão. "Esperamos que após a capacitação, a pessoa com deficiência esteja preparada para assumir mais funções, aumentando sua empregabilidade, e com isso, as instituições tenham funcionários mais eficientes", completa.
 

Autor: Ariane Urbanetto